segunda-feira, setembro 19

Um universo supersimetrico

Estudos que têm vindo a ser levados a cabo desde 1999 pelo Brookhaven National Laboratory de New York, incidindo sobre o estudo dos muões, poderão ter levado à hipótese de que:

- O modelo standard das partículas físicas não só estará incompleto, como o nosso Universo está cheio com um tipo de partícula fundamental, mas ainda não detectável.
Se tal se verificar, um Universo invisível de partículas supersimetricas poderá existir à nossa volta.

Terei um irmão invisível a acompanhar os meus passos? É uma boa hipótese para fundamentarmos a existência de “anjos da guarda” …

Etiquetas:

10 Comentários:

Às 19 setembro, 2005 12:56 , Anonymous Anónimo disse...

As coisas que eu aprendo por aqui


Um abraço,
Lúcia (rose)

 
Às 19 setembro, 2005 13:56 , Anonymous A. Duarte Lázaro disse...

Eu gosto de acreditar que todos temos um (anjo da guarda)... se bem que o meu é um traquinas e anda geralmente desaparecido... ou não...
De qualquer forma adoro anjos!! (eu própria sou um... lol... a minha mãe escolheu bem o meu nome)

Interessante artigo, Peter.

 
Às 19 setembro, 2005 15:16 , Blogger Peter disse...

Lúcia, estive a visitar o teu blog. Não havia local para deixar coment. Depois apaguei-o dos n/links, como foi teu desejo.
Vai aparecendo, pois és sempre bem-vinda.

Só não publico mais destes assuntos, que são o meu hobby, para não aborrecer o "pessoal". Mas há sempre gente que gosta.

 
Às 19 setembro, 2005 15:19 , Blogger Peter disse...

A... A parte final do artigo é especulativa, como é óbvio e nada tem a ver com as experiências científicas em curso.

 
Às 19 setembro, 2005 16:00 , Anonymous A. Duarte Lázaro disse...

sim, eu entendi peter... mas como não entendo nada do assunto... achei melhor responder por essa parte... de qualquer das formas quando disse que achava o artigo interessante estava a ser sincera.

 
Às 19 setembro, 2005 18:17 , Anonymous Anónimo disse...

Obrigada Peter.

Eu fechei os comentários, porque tenho recebido imensos de mau agrado. Acho que ainda não perceberam que um blog é para partilha de algo e não um sítio para acumulação de lixo (palavras despejadas com intenção de ofender)

:)

Eu gosto de ler os artigos que aqui colocas, são sempre muito interessantes

*
Lúcia

 
Às 19 setembro, 2005 20:03 , Blogger Peter disse...

Lúcia sempre disse que és um amor.
Felicidades e vai aparecendo por aqui *

 
Às 20 setembro, 2005 00:17 , Blogger lazuli disse...

Algo a ver com universos paralelos? a coexistência de "tempos" ou a sua sobreposição...
Gosto do tema, fui uma leitora assídua de ficção científica, da colecção argonauta, e alguns dos livros e autores são bastante bons. O espaço e os mistérios que encerra, são fascinantes. De resto li livros do Sagan, alguns do Stephen Hawkings, e mais uns tantos...

 
Às 20 setembro, 2005 12:44 , Blogger bluegift disse...

temos uma força de equilíbrio, falta saber o seu papel, mas isso já é querer saber muito ;) mas tudo é possível até prova em contrário :)

 
Às 20 setembro, 2005 21:59 , Blogger Peter disse...

Este post foi demasiado resumido e tem dado origem a interpretações díspares. Resolvi transcrever o texto original:

"Muon Wobble Possible Door to Supersymmetric Universe"

Credit: R. Bowman, g-2 Collaboration, BNL, DOE

Explanation:

"How fast do fundamental particles wobble? A surprising answer to this seemingly inconsequential question has come out of Brookhaven National Laboratory in New York, USA and may not only indicate that the Standard Model of Particle Physics is incomplete but also that our universe is filled with a previously undetected type of fundamental particle. Specifically, the muon, a particle with similarities to a heavy electron, has had its relatively large wobble under scrutiny since 1999 in an experiment known as g-2 (gee-minus-two), pictured above. The result has galvanized other experimental groups around the world to confirm it, and pressures theorists to better understand it. The rate of wobble is sensitive to a strange sea of virtual particles that pop into and out of existence everywhere. The unexpected wobble rate may indicate that this sea houses virtual particles that include nearly invisible supersymmetric counterparts to known particles. If so, a nearly invisible universe of real supersymmetric particles might exist all around us."

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial