sábado, setembro 17

O discurso de Manuel Alegre

“Manuel Alegre foi grande. Manuel Alegre foi sobretudo nobre.
Por momentos fez-nos esquecer a maioria dos maus políticos que temos.
Frontal, cortante, audaz, contundente, mas sobretudo, lúcido.

(…)

Talvez a sua condição de homem de letras lhe dê uma outra perspectiva. Admito até que viva de alguma forma num mundo de utopias. Porém “sempre que um homem sonha, o mundo pula e avança”.

Poucas vezes na minha condição de jornalista me devo ter deixado arrebatar por um discurso. Talvez porque a maior parte deles fazem parte de uma encenação preparada ao pormenor, com a finalidade de nos enganar a todos.

Manuel poderá ter perdido a oportunidade de se candidatar a Belém. Poderá ter perdido o amigo de muitas batalhas.
Mas é certo que ganhou novos amigos que se revêem naquele homem de aparência humilde e ar inteligente.

(…)

Olhei Alegre nos olhos enquanto discursava. Li neles a desilusão, a tristeza de quem se sabe traído pelos seus. Mas li também a esperança que certamente ficou na mente de muitos os que o ouviram.

Num país em que nada do que parece é, Manuel foi verdadeiro, igual a ele próprio.
Neste canto da Europa pintado a negro e cinza, Manuel brilhou.”

(A.Pinto Correia, EDITORIAL do Jornal “Voz das Beiras”)

P.S. – Pode ler o texto completo no jornal, que consta dos n/links.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial