quarta-feira, agosto 17

A implosão da mentira

Mentiram-me.
Mentiram-me ontem
e hoje mentem novamente.
Mentem de corpo e alma completamente.
E mentem de maneira tão pungente
que acho que mentem sinceramente.

Mentem sobretudo impunemente.
Não mentem tristes,
alegremente mentem.
Mentem tão nacionalmente
que acham que mentindo história a fora
vão enganar a morte eternamente.

Mentem, mentem e calam
mas as frases falam e desfilam de tal modo nuas que mesmo o cego pode
ver a verdade em trapos pelas ruas.
Sei que a verdade é difícil e para alguns é cara e escura, mas não se
chega à verdade pela mentira nem à democracia pela ditadura.

Evidentemente crer que uma flor nasceu em Hiroshima e em Auschwitz
havia um circo permanentemente.

Mentem, mentem caricaturalmente,
mentem como a careca mente ao pente,
mentem como a dentadura mente ao dente
mentem como a carroça à besta em frente, mentem como a doença ao
doente, mentem como o espelho transparente mentem deslavadamente como
nenhuma lavadeira mente ao ver a nódoa sobre o rio mentem com a cara
limpa e na mão o sangue quente, mentem ardentemente como doente nos
seus instantes de febre, mentem fabulosamente como o caçador que quer
passar gato por lebre e nessa pilha de mentiras a caça é que caça o
caçador e assim cada qual mente indubitavelmente.

Mentem partidariamente,
mentem incrivelmente,
mentem tropicalmente,
mentem hereditariamente,
mentem, mentem e de tanto mentir tão bravamente constroem um país de
mentiras diariamente.


(Afonso Romano de Sant'Anna, Enviado por Manoel Carlos, do blog “Agreste”)

4 Comentários:

Às 17 agosto, 2005 19:32 , Blogger persephone disse...

E partilho este

A Implosão da Mentira
(ou o episódio do Riocentro-fragmentos)

Fragmento 2.

Evidente/mente a crer
nos que me mentem
uma flor nasceu em Hiroshima
e em Auschwitz havia um circo
permanente.

Mentem. Mentem caricatural-
mente.
Mentem como a careca
mente ao pente,
mentem como a dentadura
mente ao dente,
mentem como a carroça
à besta em frente,
mentem como a doença
ao doente,
mentem clara/mente
como o espelho transparente.
Mentem deslavadamente,
como nenhuma lavadeira mente
ao ver a nódoa sobre o linho.Mentem
com a cara limpa e nas mãos
o sangue quente.Mentem
ardente/mente como um doente
em seus instantes de febre.Mentem
fabulosa/mente como o caçador que quer passar
gato por lebre.E nessa trilha de mentiras
a caça é que caça o caçador
com a armadilha.

E assim cada qual
mente industrial? mente,
mente partidária? mente,
mente incivil? mente,
mente tropical?mente,
mente incontinente?mente,
mente hereditária?mente,
mente, mente, mente.
E de tanto mentir tão brava/mente
constroem um país
de mentira
-diária/mente.


Affonso Romano de Sant'Anna

* Este poema foi recitado na voz de Tônia Carrero no CD "Affonso Romano de Sant'Anna por Tônia Carrero" da Coleção "Poesia Falada".



Mentiras... sera que vai durar muito esta mentira onde vivemos?..

Um abraço ,
Rose

 
Às 17 agosto, 2005 20:54 , Blogger Peter disse...

Olá Rose, obrigado pelos esclarecimentos adicionais.

 
Às 17 agosto, 2005 21:03 , Blogger persephone disse...

Não tem de quê, Peter

 
Às 18 agosto, 2005 19:42 , Blogger Menina_marota disse...

Metade do Mundo é mentira, a outra metade é traição...o que fica?

O nosso coração... tristemente ...

Jinhos ;)

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial