segunda-feira, julho 25

Fazer o bem... ou não

Ontem, em conversa com uns amigos, sentados na esplanada, falavamos sobre as pessoas fazerem o bem.
A conversa surgiu a propósito (e já vão entender que, realmente, a conversa é como as cerejas) de treino de cães, tendo passado a seguir para o exemplo daquelas séries com cães treinados, tipo Rex e Max e, finalmente, para o facto de os animais fazerem o bem, desinteressadamente ao contrário de grande parte dos seres humanos. Mesmo sabendo que, nos casos que referi, falamos de simples filmes, o certo é que existem exemplos de animais que são verdadeiros heróis, mas desses não vemos nas TV's todos os dias. E o que querem eles em troca? Nada. Porque nada pedem como moeda de troca. Aquilo que querem é o que sempre querem, com ou sem actos de heroísmo: atenção, cuidado e carinho.

Mas, e o ser humano? Quantas vezes já disseram as famosas palavras: "esqueces do que eu te fiz", "fiz-te tanto bem e agora dizes isso ou aquilo"?
E quantas vezes já as ouviram?
E de que forma estará relacionado com o facto de haver quem goste tanto e necessite que lhes agradeça infinitamente, mesmo quando pouco ou nada fizeram, apenas para os contentar?

Afinal, faz-se o bem pelo prazer de o fazer, ou para que se lhes agradeça? E se um simples obrigada, em privado não lhes chega, então fizeram o bem porque o quiseram ou porque quiseram demonstrar publicamente que têm actos (ou não, porque muitas vezes é mesmo muita parra para pouca uva) de pessoas boas?

E porque os cãezinhos ou outros animais com actos de heroísmo, não exigem também que os humanos lhes sejam gratos infinitamente?

Talvez porque não necessitem disso para viver. Talvez porque a simplicidade da sua vida é precisamente nua da mesquinhez humana.
Talvez porque eles estejam certos e os humanos errados.

6 Comentários:

Às 25 julho, 2005 18:30 , Blogger {-Sutra-} disse...

Nas minhas refers vi que tinhas o meu site mas não me lembro de te ver lá. Também és um dos silenciosos que me visita?

Beijo doce

 
Às 25 julho, 2005 19:35 , Blogger persephone disse...

'"esqueces do que eu te fiz", "fiz-te tanto bem e agora dizes isso ou aquilo"?'

Mas quantas vezes ouvimos isso.. é triste o ser humano.. Um hipocrita e mesquinho.

Que se há-de fazer?Nada, como se tem feito sempre

Um beijo
Rose

 
Às 25 julho, 2005 19:47 , Blogger Peter disse...

sutra, julgo, repito, "julgo", que deves ser uma das pessoas com quem jantei, há 5 anos no "Atira-te ao mar". Ou estarei enganado?
De qq modo, quer sejas, quer não sejas, coloquei o teu blog nos n/links já há tempo, mas se vires inconveniente retiro-o. Sim sou um dos "silenciosos", mais uma legião deles ...

 
Às 25 julho, 2005 23:13 , Blogger {-Sutra-} disse...

peter ou anjo, não conheço o atira-te ao mar, é bar, café, disco, restaurante? Há 5 anos atrás eu tinha 20, andava sempre por Lisboa, BA, 24Julho, mas isso não conheço.
o meu site nos teus links não tem espiga, eu é que fico lisonjeada e vou colocar o teu também no meu site, para vir aqui mais vezes. Estão algumas coisas porreiras aqui.
Só espero é que deixes de ser um dos silenciosos

Beijo doce

 
Às 31 julho, 2005 20:36 , Blogger Anjo Do Sol disse...

Sutra, não conheço o teu blog, e já vi que pnsavas que eu e o peter eramos uma só pessoa.
O blog foi criado pelo Peter no sapo e já passou pelo conversas 1, 2, 3 e este é o 4. Ao longo das várias séries, foram-se juntando-se outras pessoas neste blog, a convite do Peter.

O teu, espero visitar logo que possível.

 
Às 31 julho, 2005 20:37 , Blogger Anjo Do Sol disse...

persephone, hipócrita e mesquinho, sim. O melhor é dar desprezo, como sempre.
Beijito querida

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial