domingo, julho 10

Entrega

Observo os voos rasantes das aves.
[Abissais!]

Pensar que estes pequenos seres vivos viajaram milhares de quilómetros em busca do Sol ainda me espanta.
A fragilidade e a pequenez parecem ser um enorme e impenetrável paradoxo que nunca deixará entender a imensa capacidade de sobrevivência. Espanto-me.
Vou chamar-lhes pequenos deuses.

Um dia igual a tantos outros. O tempo a esvair-se diante dos olhos atónitos e sem compreensão, parados, absorvidos pela terrível engrenagem da natureza. Cada segundo representa na verdade, menos um segundo. O fim a aproximar-se a passos largos tantas vezes com a nossa anuência!

[O preferir falar-te de vida plena de salivares trocas entregas em encontros fortuitos que distância apenas se apaga no melhor do imaginário]

O saber da saudade, do desejo adiado, do velho sofá agora cúmplice e testemunha efectiva de penetrações plenas de emoções e o fazer desejar-te aqui e agora.

(…) A frase cortada abruptamente deixando no que não está escrito tudo aquilo que ambos precisamos saber. Gramáticas negam o uso. Eruditos rangem os dentes. Pois que lhes caiam. [Os dentes]
Literatura é sentir. É passar ao papel sentimentos que as letras jamais serão capazes de traduzir.


[Hoje estou libertino, devasso, possesso, lascivo]


Além, Deus olha de soslaio, escondendo-se atrás de um Sol que se põe.

No entreabrir de pernas a vontade da entrega.
[Amanhã apenas o sono fará testemunho das noites de entregas]

13 Comentários:

Às 10 julho, 2005 11:49 , Blogger persephone disse...

não estás sempre?

 
Às 10 julho, 2005 14:40 , Anonymous A. Duarte Lázaro disse...

Deus sabe como este texto me toca...

 
Às 10 julho, 2005 15:45 , Blogger bluegift disse...

Bom dia a Todos! Ando sem tempo para nada e ainda por cima vou começar as férias daqui a uma semana. E há tanto que fazer :( Desnaturada, eu sei... ;)

Zé, belíssimo :) Um grande beijo :)

 
Às 10 julho, 2005 18:53 , Blogger Peter disse...

"persephone", nem sempre. Às vezes é um crítico político, com um humor cáustico.

 
Às 10 julho, 2005 18:56 , Blogger Peter disse...

"a,duarte lázaro", uf, que nome tão comprido!Não me digas que tb falas com Deus, como a filha do S, fala com JC?

 
Às 10 julho, 2005 18:57 , Blogger Peter disse...

"bluegift", férias? Outra vez?

 
Às 10 julho, 2005 19:16 , Anonymous A. Duarte Lázaro disse...

Peter, sabes o que significa o "a" e o nome até já foi exposto repetidas vezes... por isso... podes usá-lo. Ha muito que deixei de falar com Deus. Falo normalmente com o mar. Ele é o intermediário entre mim e Deus.

 
Às 10 julho, 2005 21:06 , Blogger bluegift disse...

Peter, outra vez, eu? Fim de semana é uma coisa e férias é outra ;) era bom era...

 
Às 10 julho, 2005 22:05 , Blogger Peter disse...

"a" estava a brincar ...E a moça falará mesmo com JC? Parece que "Ele" a autorizou a ficar com os lucros da venda do livro ...

 
Às 10 julho, 2005 22:10 , Anonymous A. Duarte Lázaro disse...

Peter: eis mais uma demonstração da generosidade de JC.

Para que não julgues que vos voltei a abandonar anuncio desde já que, aproveitando o convite do Letras para que nos remetamos à introspecção, vou ausentar-me do "mundo" até ao fim do mês.

Deixo-te um beijo.

 
Às 11 julho, 2005 01:17 , Blogger ChuvaNegra disse...

Tamém li este no "Letras..."

 
Às 11 julho, 2005 02:41 , Blogger persephone disse...

Peter...
É um omem multifacetado...


Boa noite**:)

 
Às 11 julho, 2005 15:39 , Anonymous Anónimo disse...

tuas letras sempre tão doces... beijinho.. gi

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial