terça-feira, julho 26

Ana Hatherly – “A Idade da Escrita”

“Numa tradição que remonta a Demócrito, a inspiração poética é atribuída a um sopro divino que os deuses emitem e que o poeta recebe, habitado pelos deuses. A palavra poética reveste-se aqui de uma imaterialidade a que o poeta não sabe, nem pode, resistir.”

Se eu pudesse dar-te aquilo que não tenho
e que fora de mim jamais se encontra
Se eu pudesse dar-te aquilo com que sonhas
e o que só por mim poderá ter sonhado

Se eu pudesse dar-te o sopro que me foge
e que fora de mim jamais se encontra
Se eu pudesse dar-te aquilo que descubro
e descobrir-te o que de mim se esconde

Então serias aquele que existe
e o que só por mim poderá ter sonhado

(“A Idade da Escrita” – Ana Hatherly – Lisboa, Edições Tema, 1998)


Estou a tentar cultivar-me …

5 Comentários:

Às 26 julho, 2005 11:53 , Anonymous zezinho disse...

Tu és culto. Não sejas humilde.
Abraços

 
Às 26 julho, 2005 13:57 , Blogger persephone disse...

E é um belíssimo poema de uma linda poetisa

beijo*

 
Às 26 julho, 2005 15:06 , Blogger amita disse...

Faço minhas as palavras do Zezinho (permites-me?). Está feito!... De qualquer modo, além de belo, é um interessante poema. bjo

 
Às 26 julho, 2005 17:57 , Blogger Peter disse...

É o que vale ter bons amigos ...

 
Às 26 julho, 2005 22:46 , Blogger amita disse...

Amigos... Sempre! Bjos

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial